quinta-feira, fevereiro 16, 2012

Livro - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - UM PARAÍSO SEM RUMO"



A apresentação do Livro "São Tomé e Príncipe - Um Paraíso sem rumo" de José Simões terá lugar na Casa da Beira Alta, no Porto, no próximo dia 18 de Fevereiro, pelas 16h. Um evento a não perder para quem estiver no Porto ou por lá perto. 

segunda-feira, fevereiro 06, 2012

sexta-feira, julho 22, 2011

Sobre “O Cruzeiro do Sul” de Olinda Beja

“O Cruzeiro do Sul” é o último livro de poesia da autoria de Olinda Beja, uma obra que tive o privilégio de ler antecipadamente por ter sido convidada a fazer a apresentação pública do livro em Lisboa, por ocasião do Encontro de Escritores Lusófonos. E depois do evento dei comigo vezes sem conta a relê-lo, deixando-me levar pelas palavras, conjugadas de forma ímpar, viajando até paragens tropicais e redescobrindo São Tomé e Príncipe, arquipélago que me é tão próximo e tão querido.

Este livro de Olinda Beja, tal como tem ocorrido com os anteriores, revela a emoção e o sentimento da autora que vive a poesia em cada verso, em cada palavra e em todas as ideias explicitamente apresentadas ou na forma subtil que apenas ela consegue.

O livro está organizado de forma muito coerente em três partes: “Travessia”; “Recados”; e “Exaltação do Amor”. Ao avançarmos na leitura, parte a parte, percebemos que existe um fio condutor que nos transporta, fazendo-nos viajar até ao Equador, orientados pelo Cruzeiro do Sul, essa mínima e magnífica constelação, tendo São Tomé e Príncipe como paisagem e enquadramento. Arquipélago marcado por uma carga simbólica, espaço de descoberta que também é de vivências e de lembranças que nos acompanham para sempre e que vamos reavivando e reconstruindo através das palavras felizes partilhadas pela autora.

“Travessias” ajudam-nos a despertar os sentidos: as referências a paisagens ambientais e práticas culturais, incluindo as mais ancestrais, rituais e danças, gastronomia e recursos naturais. O cacau e o café sempre presentes. Em “Recados” encontramos, de forma muito particular, a “sãotomensidade” referida desde o início de forma sábia e sentida. E, na “Exaltação do Amor” revemos o expoente máximo da enaltecimento dos sentidos e das emoções mais puras e completas na complementaridade entre a lua e a noite.

Este livro de poesia poderia bem ser um ícone turístico para São Tomé e Príncipe. Os elementos da Natureza destacam-se: o Ossobô; as frutas tropicais; as rosas de madeira e as de porcelana; os hibiscus e as acácias. Até a cobra preta...

O título “Cruzeiro do Sul”, escolhido sabiamente pela carga simbólica que encerra, faz-nos pensar, pelo menos, em duas ideias:

1) a profundidade, a imensidão e o mistério do céu, a beleza das constelações singularmente formadas e que tanto gostamos de contemplar e apreciar em noites límpidas;

2) o sentido da orientação que associamos a algumas estrelas e constelações que, pelo brilho e forma adquirem características próprias. Esta é a menor de todas as constelações do hemisfério sul mas, apesar disso, absolutamente notável. Historicamente, o Cruzeiro do Sul revestiu grande importância para os navegadores servindo de referência durante as viagens, sendo identificado como o ponto de orientação indicador do caminho para o sul.

Para o leitor, este livro representa uma viagem deslumbrante tanto a um destino único no Mundo onde os sentidos ficam despertos, como à interioridade de cada um, estimulando as emoções. O “Cruzeiro do Sul” acompanha-nos neste duplo sentido da viagem orientando o nosso caminho.

Pelo facto de ser um livro que desperta, deixando-nos alerta, recomendo a todos uma leitura cuidada e atenta das palavras sentidas da Olinda Beja. Boas viagens...!

segunda-feira, setembro 27, 2010

ENTREVISTA TURISMO EM ESPAÇO LUSÓFONO, RÁDIO SIM (grupo Renascença)

O tema do LUSOFONIAS do passado sábado (25 de Setembro) foi o TURISMO EM ESPAÇO LUSÓFONO e eu fui a entrevistada convidada. Foi bom rever e "refalar" sobre um tema que me é tão querido e que conheço tão bem :-)
Para quem quiser ouvir a entrevista gravada e que seguiu a conclusão do Projecto "O impacto do turismo no desenvolvimento comunitário em África", sigam o link e seleccionem o dia 25 de Setembro.

Um programa que pela rádio visa unir os povos e as culturas que se expressam em português. Produzido pela Fundação Evangelização e Culturas em parceria com a Rádio SIM, conta semanalmente com a crónica do Pe. Tony Neves, Missionário Espiritano, com o apontamento "Em Poucas Palavras" durante o qual um convidado reflecte um tema da actualidade, com as crónicas de jornalistas de vários países lusófonos e ainda com a presença de um convidado em estúdio, para uma entrevista de fundo.
http://www.radiosim.pt/programas_detail.aspx?fid=133&did=597

domingo, dezembro 03, 2006

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental da ASPEA

Solicita-se divulgação

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental da ASPEA - Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida
A Educação Ambiental procura desenvolver uma consciência crítica sobre as problemáticas ambientais mundiais, alertando sobre as nossas acções diárias.
A questão ambiental exige uma reflexão aprofundada sobre as nossas acções e o nosso olhar sobre a natureza, e os impactos causados pelas nossas interacções com ela.
As Jornadas da ASPEA têm-se constituído espaços de reflexão e partilha de saberes e preocupações, procurando ajudar a desenvolver uma maior consciência crítica e uma participação cidadã mais activa e eficaz.
Em debate nas XIV Jornadas Pedagógicas da ASPEA, os temas Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida, que decorrem dos propostos para o 2º ano de implementação da Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2005-2014.
Gostaríamos de contar com a sua participação.
Agradecemos que colabore na divulgação do evento.
Saudações ambientais

mais informações:
www.aspea.org

__

segunda-feira, setembro 11, 2006

Turismo em STP

Olá a Todos,

 

Há uma nova página turística de São Tomé e Príncipe. Vale a pena visitar, eu já o fiz e posso dizer que tem óptima qualidade, facilidade de acesso porque está no sistema Google. Aqui podemos encontrar as opções Casa Amarela, a Casa Vermelha, com preços indicativos e serviços correspondentes, Turismo Solidário e Hospedagem com formação.

É uma iniciativa muito interessante porque quem consulta a página é chamado para novos conceitos de turismo e novas práticas (turismo solidário, hospedagem com formação), muito defendidas actualmente no meio internacional que se dedica a estudar estas questões.

http://turismosaotomeeprincipe.googlepages.com/

Além disto, a Nora Rizzo tem um blog, onde se pode comentar, dar sugestões e contributos. Chama-se “Casa Amarela Casa Vermelha Turismo Cultural”

http://casaamarelacasavermelha.blogspot.com/

A Nora Rizzo está, mais uma vez de parabéns!!!

Um abraço,

--------------------------------------

Brígida Rocha Brito

 

segunda-feira, maio 22, 2006

Novo jornal on line "ECOS das ILHAS"

Há um novo jornal on line de STP, que se encontra ainda em construção, mas que já divulga notícias. Chama-se ECOS DAS ILHAS e está vocacionado para as questões políticas e económicas santomenses. Eles pedem sugestões, que deverão ser enviadas para o e-mail do Petter Bouças 

segunda-feira, maio 15, 2006

Início do Fórum

Como temos vindo a apresentar, hoje damos início ao debate sobre “O Papel das Rádios Comunitárias na luta contra a exclusão social” em http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/ (iniciativa conjunta de: Projecto “Estratégias e Técnicas de luta contra a Exclusão Social e a Pobreza”, STEP/Portugal, executado pelo Bureau Internacional do Trabalho (BIT) e financiado pelo Governo Português; Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau, RENARC; Centro de Estudos Africanos do ISCTE, no âmbito das actividades do site web Inclusão Social nos PALOP e do Centro Informático de Aprendizagem e de Recursos para a Inclusão Social, CIARIS).

O movimento das Rádios Comunitárias no espaço lusófono tem vindo a mostrar um dinamismo crescente nos últimos anos, reflexo da identificação das populações com as mesmas, do papel cada vez mais importante que desempenham nos seus espaços, mas também do trabalho de um conjunto de actores que não se poupam a esforços para a promoção do reforço do papel das Rádios.

Reconhecendo a importância da partilha de experiências como elemento promotor do reforço de competências, uma das preocupações dos actores que a nível local ou nacional dinamizam este movimento, tem sido a de criação de oportunidades de encontros entre os actores que em diferentes países vivem o quotidiano das rádios comunitárias.

Fruto de um movimento com base nas organizações da sociedade civil destes Países, os momentos mais significativos foram, até ao momento:

- Atelier de Cabo Verde, organizado pelas ONGs CITI-HABITAT, AD (Acção para o Desenvolvimento) e ACEP (Associação para a Cooperação entre os Povos), que teve lugar entre 24 e 28 de Junho de 2002, com o apoio do CTA da Holanda;

- o I Encontro de Rádios Comunitárias dos Países de Língua Portuguesa, que teve lugar em Bissau entre 13 e 19 de Março, organizado pela Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau (RENARC), AD e ACEP (documento com conclusões em anexo), com os apoios do Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD), da Fundação Portugal-África e Swissaid.

Encontrando-se a trabalhar na criação de mecanismos de reforços de competências baseados, entre outros instrumentos, na promoção de redes com recurso à utilização das novas tecnologias de comunicação e informação, o Projecto STEP/Portugal propôs a criação de um espaço virtual que permita a discussão e a partilha de experiências, de instrumentos metodológicos, o surgimento do debate, entre parceiros que, encontrando-se em diferentes localizações geográficas, têm em comum a língua e o interesse pelo movimento das rádios comunitárias.

Tendo como base o trabalho de criação de condições para o fortalecimento da rede de actores nesta área, esta experiência poderá ser um contributo para a eventual criação de uma comunidade de prática, cuja continuidade poderá vir a ter lugar ou não neste espaço. Sendo esta uma experiência inovadora no que diz respeito a Rádios Comunitários no mundo lusófono, dependendo do nível de participação e do interesse dos participantes, poderá ser analisada entre os vários interessados uma modalidade que permita a criação de um espaço mais permanente.

Enviamos as duas mensagens introdutórias dos moderadores, que também encontrarão no início do Fórum:

«Num contexto de grande isolamento das populações rurais e de marginalização das populações pobres tanto a nível rural como peri-urbano, em paralelo com uma progressiva desarticulação das funções essenciais do estado para a promoção do bem-estar das populações, as rádios comunitárias vieram surgindo como instrumentos essenciais ao desenvolvimento das comunidades locais, facilitando-lhes o acesso a informação útil em domínios como a saúde de base, as fileiras dos principais produtos da agricultura camponesa, a educação, resgate de alguns valores culturais e mesmo o sentimento de pertença a uma comunidade, um país.

Em simultâneo, para além do acesso a informação útil, as rádios comunitárias têm desempenhado um papel fundamental de amplificação das vozes das camadas marginalizadas do acesso ao poder, como os jovens ou as mulheres.»

Adão Nhaga

«Hoje vamos dar início ao debate no Fórum “O Papel das Rádios Comunitárias na luta contra a Exclusão Social”, que terá lugar neste espaço até ao próximo dia 5 de Junho. São 3 semanas de reflexões centradas no tema proposto.

Desde já, temos à nossa disposição, no menu do lado direito, o link para “uploads-downloads de documentos” e “endereços web”, onde poderemos encontrar documentos sistematizados, produzidos e divulgados pela AD (Acção para o Desenvolvimento), pela ACEP (Associação para a Cooperação entre os Povos), sendo alguns resultantes dos Encontros de Cabo Verde (2002) e de Bissau (2006), encontrando-se também dos documentos referentes aos princípios estratégicos CIARIS. Mas temos a possibilidade de contribuir para a construção deste espaço através da partilha de outras informações e documentos considerados úteis para a reflexão e o debate.

Para darmos início às actividades do Fórum, peço-vos que, na primeira mensagem que enviarem se apresentem brevemente, se possível referindo o país de origem e área de actuação.

A questão que coloco desde já é de que forma as rádios comunitárias podem ser entendidas como meios privilegiados para promover a inclusão social, favorecendo a interacção e incentivando a participação de todos, criando novas oportunidades e dando a conhecer o que se faz e como se vive nas diferentes comunidades?

Contamos com a vossa participação para a partilha de experiências, identificação de dificuldades, apresentação de práticas bem sucedidas e divulgação de iniciativas, troca de opiniões e de sugestões. A participação de todos é fundamental porque este é um espaço criado para todos e que será construído também com a colaboração de todos.

Boas reflexões e bons debates»

Brígida Rocha Brito

Relembramos que, no caso de ainda não o terem feito, podem efectuar o vosso registo em:

http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/, no espaço próprio situado no canto superior direito.

Contamos com a vossa participação!

quinta-feira, maio 11, 2006

FW: Convite: Fórum Rádios Comunitárias

Olá a Todos,

No próximo dia 15 de Maio vamos dar início a um debate sobreO Papel das Rádios Comunitárias na luta contra a exclusão social, que terá lugar no âmbito do CIARIScommunity, em http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/. Esta é uma iniciativa conjunta do Projecto “Estratégias e Técnicas de luta contra a Exclusão Social e a Pobreza”, STEP/Portugal, executado pelo Bureau Internacional do Trabalho (BIT) e financiado pelo Governo Português, da Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau (RENARC) e do Centro de Estudos Africanos do ISCTE (CEA), no âmbito das actividades do site web Inclusão Social nos PALOP (http://www.inclusao-palop.org) e do Centro Informático de Aprendizagem e de Recursos para a Inclusão Social – CIARIS (http://www.ilo.org/ciaris).

Atendendo que uma das principais prioridades do BIT é a luta contra as diferentes formas de exclusão social e a redução da pobreza, procuraremos repensar e identificar as estratégias mais adequadas face a situações concretas, que venham a ser apresentadas, com o objectivo de promover a inclusão, dando particular atenção aos grupos vulneráveis ou em risco. As reflexões terão na base os princípios estratégicos da integralidade, participação, parceria e territorialidade.

Em alguns países africanos, em particular nas regiões mais isoladas e marcadas pela ruralidade, as Rádios Comunitárias representam hoje um dos principais meios promotores de inclusão social, pelo incentivo à participação e ao envolvimento de todos, à comunicação, à interacção, à valorização da vida comunitária e à criação de novas oportunidades. 

Esta iniciativa revela-se manifestamente inovadora, já que, mais do que um Fórum de debates, pretende criar-se uma comunidade de aprendizagem e de prática que tenha continuidade ao longo do tempo, e onde possam ser partilhadas experiências, colocadas dúvidas para esclarecimento, apresentadas dificuldades e divulgadas práticas bem sucedidas, mas também disponibilizados recursos, tais como documentos para leitura e reflexão, links e sites de interesse relacionados com o tema, informação sobre eventos e encontros futuros, sem esquecer a sistematização dos resultados de encontros anteriores, como são os exemplos do “Atelier sobre Rádios Comunitárias e Rurais” (Cabo Verde, 2002), ou do “1º Encontro de Rádios Comunitárias da CPLP” (Guiné Bissau, Março de 2006).

Com o CIARIScommunity Rádios Comunitárias procura criar-se um local de encontro e de troca de experiências, onde a aprendizagem possa se privilegiada, reduzindo as distâncias e valorizando as práticas que têm sido prosseguidas nos diferentes países.

Também com a preocupação de recolher o máximo de experiências e de conseguir um debate animado, contamos com a participação de todos, porque só assim conseguiremos alcançar os objectivos a que nos propomos. Este é um espaço de todos nós que será construído com o vosso apoio ao longo do tempo.

Para efectuarem o vosso registo, deverão aceder a: http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/ e, uma vez aqui, que efectuem o vosso registo. No menu do lado direito do ecran encontram campo para preenchimento de Login e para criação de uma nova conta. Ao clicarem no link aparecerá uma página de registo (link direct - http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/user.php). Seleccionem a opção “registe-se” e preencham os dados solicitados.

 

Após o registo, podem ir tomando contacto com a plataforma informática, nomeadamente consultando o texto introdutório, os links e os recursos que já se encontram disponíveis, a página relativa aos moderadores e convidados especiais. Toda esta informação está acessível através dos links que se encontram no menu do lado direito, na secção Rádios Comunitárias. Para mais informações sobre o funcionamento da plataforma, consultem o Guia de utilização, acessível no menu superior.

 

Contamos com a vossa participação! E pedimos o vosso apoio na divulgação.

 

Brígida Rocha Brito e Adão Nhaga

Moderadores

 

terça-feira, maio 09, 2006

Convite: Fórum Rádios Comunitárias

Olá a Todos,

No próximo dia 15 de Maio vamos dar início a um debate sobre “O Papel das Rádios Comunitárias na luta contra a exclusão social”, que terá lugar no âmbito do CIARIScommunity, em http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/. Esta é uma iniciativa conjunta do Projecto “Estratégias e Técnicas de luta contra a Exclusão Social e a Pobreza”, STEP/Portugal do Bureau Internacional do Trabalho (BIT), da Rede Nacional das Rádios Comunitárias (RENARC) e do Centro de Estudos Africanos do ISCTE (CEA), no âmbito das actividades do site web Inclusão Social nos PALOP (http://www.inclusao-palop.org/) e do Centro Informático de Aprendizagem e de Recursos para a Inclusão Social – CIARIS (http://www.ilo.org/ciaris).

Atendendo que uma das principais prioridades do BIT é a luta contra as diferentes formas de exclusão social e a redução da pobreza, procuraremos repensar e identificar as estratégias mais adequadas face a situações concretas, que venham a ser apresentadas, com o objectivo de promover a inclusão, dando particular atenção aos grupos vulneráveis ou em risco. As reflexões terão na base os princípios estratégicos da integralidade, participação, parceria e territorialidade.

Em alguns países africanos, em particular nas regiões mais isoladas e marcadas pela ruralidade, as Rádios Comunitárias representam hoje um dos principais meios promotores de inclusão social, pelo incentivo à participação e ao envolvimento de todos, à comunicação, à interacção, à valorização da vida comunitária e à criação de novas oportunidades.

Esta iniciativa revela-se manifestamente inovadora, já que, mais do que um Fórum de debates, pretende criar-se uma comunidade de aprendizagem e de prática que tenha continuidade ao longo do tempo, e onde possam ser partilhadas experiências, colocadas dúvidas para esclarecimento, apresentadas dificuldades e divulgadas práticas bem sucedidas, mas também disponibilizados recursos, tais como documentos para leitura e reflexão, links e sites de interesse relacionados com o tema, informação sobre eventos e encontros futuros, sem esquecer a sistematização dos resultados de encontros anteriores, como são os exemplos do “Atelier sobre Rádios Comunitárias e Rurais” (Cabo Verde, 2002), ou do “1º Encontro de Rádios Comunitárias da CPLP” (Guiné Bissau, Março de 2006).

Com o CIARIScommunity Rádios Comunitárias procura criar-se um local de encontro e de troca de experiências, onde a aprendizagem possa se privilegiada, reduzindo as distâncias e valorizando as práticas que têm sido prosseguidas nos diferentes países.

Também com a preocupação de recolher o máximo de experiências e de conseguir um debate animado, contamos com a participação de todos, porque só assim conseguiremos alcançar os objectivos a que nos propomos. Este é um espaço de todos nós que será construído com o vosso apoio ao longo do tempo.

Para efectuarem o vosso registo, deverão aceder a: http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/ e, uma vez aqui, que efectuem o vosso registo. No menu do lado direito do ecran encontram campo para preenchimento de Login e para criação de uma nova conta. Ao clicarem no link aparecerá uma página de registo (link direct - http://tecfaseed.unige.ch/users/frete/ciariscommunity/user.php). Seleccionem a opção “registe-se” e preencham os dados solicitados.

Após o registo, podem ir tomando contacto com a plataforma informática, nomeadamente consultando o texto introdutório, os links e os recursos que já se encontram disponíveis, a página relativa aos moderadores e convidados especiais. Toda esta informação está acessível através dos links que se encontram no menu do lado direito, na secção Rádios Comunitárias. Para mais informações sobre o funcionamento da plataforma, consultem o Guia de utilização, acessível no menu superior.

Contamos com a vossa participação! E pedimos o vosso apoio na divulgação.

Brígida Rocha Brito e Adão Nhaga

Moderadores

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

IV Bienal de Arte e Cultura em STP


Acontecimento cultural a registar:
São Tomé e Príncipe acolhe a IV Bienal de Arte e Cultura em São Tomé e Príncipe, entre 25 de Junho e 25 de Julho de 2006.
Reúne um conjunto de eventos de importância nacional, regional e internacional: música e dança; artes plásticas com escultura e pintura; fotografia; workshops e palestras; poesia; turismo; gastronomia.
E, além de tudo isto, há a paisagem, as praias e o Obô, os sorrisos, a simpatia acolhedora e as tradições culturais; os animais e as plantas.
Tudo isto e muito mais em São Tomé e Príncipe, um arquipélago de sonhos, uma vez mais através do incansável e eficaz trabalho do João Carlos Silva e da Isaura, que estão de parabéns pela organização.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Trabalhos seleccionados, V Congresso Ibero-americano de EA

 

 

 


Clique aqui para conhecer o primeiro grupo de trabalhos selecionados

 

 

Veja lista do primeiro grupo de trabalhos selecionados:

Apresentação em Pôsteres 
Apresentação Oral




http://www.viberoea.org.br

 

 

quarta-feira, janeiro 25, 2006

I Simpósio em EA dos Países Lusófonos: inscrições

As inscrições encontram-se abertas através do site oficial do V Congresso Ibero-americano de Educação Ambiental: www.5iberoea.org.br ou www.viberoea.org.br

 

 

 


I Simpósio em Educação Ambiental dos Países Lusófonos

 

 

I SIMPÓSIO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS PAÍSES LUSÓFONOS:

Educação Ambiental no mundo das diferenças culturais - temáticas e perspectivas”

V CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Joinvile, SC: 5-8 de abril de 2006 (www.5iberoea.org.br.)

“Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir. Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto”.
Vergílio Ferreira - romancista português

A proposição do simpósio consiste em promover uma mesa-redonda no primeiro dia, com debates específicos no segundo dia e sua finalização em plenária final no terceiro dia. Um fio condutor sobre “sentimentos e pertencimentos dos itinerários de um sonho” conduzirá as discussões nas três temáticas sobre as vivências em pesquisas, organização em redes, os projetos desenvolvidos nos “Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP)”, e as identidades galegas também aqui incluídas. Uma “Carta Lusófona” será elaborada durante o encontro, buscando sistematizar nossas reflexões e proposituras, oferecendo mais uma referência à construção das identidades múltiplas presentes na EA.

05.abril
Facilitação: Joaquim Ramos Pinto (Portugal), Pablo Meira (Galícia) & Michèle Sato (Brasil)

- Sentimentos e pertencimentos - Alberto Vieira da Silva
- Pesquisas em Educação Ambiental nas identidades lusas - Antônio Fernando Guerra
- Vivências em redes de Educação Ambiental nos enraizamentos lusos - Rosemeri Melo e Souza
- Experiência dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa - Brígida Brito
- Experiências em Cabo Verde - Aidil Borges
- Identidades da Rede Lusófona de Educação Ambiental - Marília Torales
- O itinerário de um sonho - Pablo Meira

06.abril 
Constituição de três grupos temáticos sob o fio condutor: “sentimentos e pertencimentos dos itinerários de um sonho”

- Colóquio de pesquisa - Facilitação: Antônio Fernando Guerra
- Vivências em redes - Facilitação: Rosemeri Melo e Souza
- PALOP - Facilitação: Brígida Brito & Aidil Borges

07.abril 
Plenária final, sistematização e Carta Luso-galega de Educação Ambiental
Facilitação: Joaquim Ramos Pinto, Pablo Meira & Michèle Sato
ATIVIDADE CULTURAL: tradições da cultura de vários países com identidade luso-galega.
Facilitação: Liana Justen, Aidil Borges, Liete Alves e Brígida Brito






http://www.viberoea.org.br

 

 

quinta-feira, janeiro 05, 2006

"Rei Amador" homenageado no Arquivo Histórico

Rei amador homenageado

Pela segunda vez em São Tomé e Príncipe foi comemorado o dia 4 de Janeiro, dia abnegado ao Rei Amador e por isso considerado feriado nacional. O acto central das actividades teve lugar no jardim do Arquivo Histórico do país onde foi erguido o novo busto do Rei amador. As comemorações ficaram marcadas ainda pelas várias manifestações culturais. Recorde-se que rei amador foi o chamado “preto” que se levantou com homens da sua cor e se proclamou Rei de todos os são-tomenses, Rei nomeado absoluto com poder de dar liberdade a todos os cativos.

Fonte: Tela Nón

 

 

Homenagem ao herói nacional

São Tomé inaugura busto em honra do Rei Amador

2006-01-04 16:50:51

São Tomé - No jardim do Arquivo Histórico de São Tomé em Príncipe foi erguido e inaugurado esta quarta-feira, no dia em que se assinala o feriado alusivo à morte de Rei Amador, um busto do lendário lutador angular que liderou uma das mais conhecidas revoltas e se autoproclamou Rei do arquipélago em Julho de 1595.

Nesta cerimónia estiveram presentes membros do Governo são-tomense e a presidente da União Nacional dos Escritores de São Tomé e Príncipe (UNEAS), Alda do Espírito Santos, entre outros convidados.
No acto, o ministro da Educação, Cultura, Juventude e Desporto do arquipélago, Jorge Bom Jesus, enalteceu a preservação do património cultural. «A Nação em uníssono entoa o cântico de louvar a memória do Rei Amador, figura de proa do nacionalismo são-tomense e herói da resistência colonial», sublinhou.
«Como manifesta a vontade do Governo em preservar e divulgar os nossos valores culturais, reconhecendo o papel catalisador da cultura, no processo de coesão nacional, reforço da santomensidade, na promoção do turismo e no desenvolvimento sustentável deste santo arquipélago, o património de um país por essência a sua identidade cultural, seja ele grande ou pequeno, majestoso ou simples, material ou imaterial, merece conservação por possuir um alto significado para toda a gerações futuras», acrescentou o governante.
Jorge Bom Jesus recordou ainda o discurso do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, em 2004, ano internacional da comemoração da luta contra a escravatura e a sua abolição, onde afirmava «nenhum ser humano é propriedade do outro».
«A nossa preocupação é salvar vestígios do passado, resgatar a nossa história colectiva e devolvê-la à posteridade», declarou o ministro da Educação.
«Devemos reconhecer algum défice de informação que ainda ensombra a mítica figura de Amador e sua geração, não obstante o leque de estudos já realizados, daí que se torna necessário investir num centro de pesquisa e transformar o Instituto Superior Politécnico (ISP) num embrião de investigação cientifica, dotando-o de meios financeiros, equipamentos e quadros», defendeu ainda Jorge Bom Jesus.
Para o governante, a melhor homenagem que pode ser prestada ao «ícone da longa luta de resistência» do povo são-tomense e «grande combatente da liberdade» é «arregaçar as mangas» e «enterrar as desavenças, assumindo um compromisso colectivo e patriótico de defender os interesses nacionais e transformar São Tomé e Príncipe num canto do mundo onde todos os seus filhos possam desfrutar do bem-estar».
O dia 4 de Janeiro foi institucionalizado pela Assembleia são-tomense como feriado nacional em 2004. A iniciativa partiu do escritor e deputado Albertino Bragança.
Inácio Amorim

(c) PNN Portuguese News Network

Fonte: Jornal.st

 

 

sábado, dezembro 03, 2005

Entrevista João Carlos Silva no Público

João Carlos Silva é um santomense que se denomina de "desassossegador", um "cozinhador" de receitas e de sonhos. Este é um homem idealista e sonhador que tem conseguido realizar sonhos, tendo em mira um ideal: a criação de novas oportunidades, a realização o envolvimento comunitário e a preservação ambiental, mesmo que ao ritmo "leve-leve", porque muitas vezes correr não nos leva mais longe.

Ler a entrevista ajuda a conhecer o que está por trás da imagem que nos habituámos a ver no programa "Na Roça com os Tachos".

No Jornal Público de dia 3 de Dezembro de 2005, Revista XIS Ideias para pensar, 337, pg. 26/27

quinta-feira, novembro 24, 2005

Fotografias de Carol Sky

Fotografias de STP na perspectiva de Carol Sky.

Semana de São Tomé e Príncipe em Lisboa

Com o apoio da RDPÁfrica e do Centro Nacional de Cultura: actividades culturais várias entre as quais documentários, debates,

Por ocasião do lançamento do livro, com sessão de autógrafos, "Na Roça com os Tachos" da autoria de João Carlos Silva, tem lugar até dia 25 de Novembro um conjunto de actividades culturais (documentários, debates, mostras de arte) na Galeria Fernando Pessoa do Centro Nacional de Cultura no Chiado em Lisboa. No dia 25 – Sexta-feira - pelas 18h30:

-Apresentação da IV Bienal de Arte e Cultura de São Tomé e Príncipe que terá lugar em S.Tomé em 2OO6;

-Apresentação do video "Uma Bienal em Construção"

PRIMEIRA MOSTRA DE CINEMA AFRICANO

No âmbito da primeira Mostra de Cinema Africano, realizam-se no Museu da Cidade, nos dias 24, 25 e 26, sessões cinematográficas que visam transmitir elementos relacionados com a antropologia visual. Assim, são apresentados quatro filmes, películas de investigação seguidas de debate e uma mesa redonda sobre O lugar da imagem na preservação da memória africana, com a participação de gente do cinema e de investigadores das problemáticas africanas.

PROGRAMAÇÃO:

Dia 24 - Quinta-Feira, 21h30m

Angola
Nelisita
de Ruy Duarte de Carvalho (1982, 90min, Fic.).

Dia 25 - Sexta-Feira

18h30m - Cabo Verde - O Percurso de Cabo Verde de Guenny K. Pires (2004, 83min, Doc.)

21h30m - Filmes do Instituto de Investigação Científico e Tropical:
Entre os Bosquímanos de Angola,
de António de Almeida (1952, 28min., Doc.) Sinopse: Actividades quotidianas de um grupo de bosquímanos de Angola.

Missão Antropobiológica de Angola: de Equipa da Missão Antropobiológica de Angola do IICT (40/50, 30min., Doc.)

Actividades da Missão Antropobiológica de Angola Sinopse: A equipa de antropobiólogos realiza trabalho de campo recolhendo dados antropométricos e fisiológicos com destaque para as colheitas de sangue entre os bosquímanos de Angola.

Sem Título Sinopse 2: O modo como algumas actividades quotidianas executadas por mulheres foram filmadas revela um enorme rigor em documentar técnicas e saberes de etnografia das populações angolanas.

Bosquímanos - Danças e Músicas Sinopse 3: Sempre acompanhados pelos ritmos que marcam com palmas e com os pés no chão, podemos ver os bosquímanos executando dança que denotam ora a simulação de lutas, ora a indução de estados alterados de consciência. Envolvendo a participação do grupo, todos estes momentos coreográficos transmitem uma forte ideia de coesão social.

Debate

Dia 26 – Sábado, 15h

Mesa Redonda
Título:
O lugar da imagem na preservação da memória africana
Moderação
: Rui Leal - MCA
Convidados:
Isabel Castro Henriques, Margarida Cardoso, Clara Carvalho, José Henrique Caldeira, Teresa Albino – IICT, Ângela Luzia - Museu da Cidade

18h30m

Moçambique
No Coração da Imagem uma Carta de Moçambique de Sol Carvalho (1988, 27min., Doc.)
Portugal
Kuxa Kanema, o nascimento do cinema
de Margarida Cardoso (2003, 52min, Doc.)

Museu da Cidade, Praça João Raimundo - Cova da Piedade - 2800 Almada, Tel.: 21 273 40 30 E-mail: museu.cidade@cma.m-almada.pt

quarta-feira, novembro 23, 2005

Dicionário temático da Lusofonia

Foi lançado esta tarde na Sociedade de Geografia em Lisboa o DICIONÁRIO TEMÁTICO DA LUSOFONIA, publicado pela Texto Editores e dirigido pela Associação de Cultura Lusófona, co-elaborada por cerca de 358 especialistas dos vários países lusófonos. Está organizada num único volume, com cerca de mil páginas, com um carácter enciclopédico e reúne informação sobre os mais variados assuntos referentes aos oito países e regiões da Lusofonia: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.
São temas abordados: os conceitos linguísticos, as línguas faladas, a História, a Geografia, a Economia, a Arte, a Literatura, as Instituições, as Religiões, os Usos e Costumes, facultando outro tipo de informações e curiosidades acerca do quotidiano e da cultura dos oitos países que se encontram unidos através da língua portuguesa, sendo esta a sua língua materna, segunda, ou oficial.

Fonte: Fórum DC

sábado, novembro 19, 2005

Foi hoje e foi um sucesso!

Hoje, tal como previsto, foi o lançamento do livro do João Carlos Silva, na FNAC do Chiado. Sala cheia, ou melhor muito bem aconchegada, de tal forma que o calor fez-se sentir, fazendo lembrar as ilhas. Muitas caras conhecidas e sempre sorridentes. Foi bom revê-las. Muitas pessoas desconhecidas e simpáticas, com as quais foi fácil conversar desde logo, ou o tema que nos unia não passasse pelas ilhas maravilhosas e por tanta coisa deslumbrante que têm.

Foi bom ouvir o João Carlos explicar o porquê do livro e apresentar novas ideias. Foi mesmo muito bom perceber que, em qualquer lado do Mundo, há pessoas que continuam a sonhar, que têm projectos e que tudo fazem para os pôr em prática. E não se trata apenas de uma pessoa ou duas. Há muitas assim, felizmente! E foi magnífico ouvir o Nezó cantar, e sentir o corpo remexer na cadeira, e olhar para o lado e ver que muita gente se mexia também. E foi melhor perceber que vão decorrer, uma vez mais, actividades com artistas santomenses de divulgação cultural no Centro Nacional de Cultura.

É motivo para dizer, bem ao jeito do “cozinhador de sonhos e de sabores”: “lindo lindo lindo”. Trabalho magnífico em que estão todos de parabéns: o João Carlos, o Kalú Mendes, a Adriana Freire, o “pai da ideia” Ricardo Mota, a Oficina do Livro que deu forma a este magnífico livro. Ficamos a aguardar o 2º volume com novas receitas e novas imagens.

É motivo para dizer, nas palavras de António Gedeão, na “Pedra Filosofal”: “(...)sempre que um homem sonha, o mundo pula e avança como bola colorida entre as mãos de uma criança”. Este é um bom exemplo disso!

segunda-feira, novembro 14, 2005

Lançamento do livro "Na Roça com os Tachos"


O João Carlos e a Adriana estão de parabéns. Mais um projecto bem sucedido. E eu serei uma das presente no dia 18, para assistir ao lançamento e receber o autógrafo deste Amigo. Parabéns João Carlos!

Hoje tive o meu primeiro contacto com o livro e está verdadeiramente fantástico. Traduz muitíssimo bem a relação entre a gastronomia, a poesia, o programa da rtpáfrica e o trabalho fotográfico. Muito melhor do que eu imaginei. Superou todas as minhas expectativas! É uma obra muito bem estruturada e cujo produto final resultou muito bem.

Apesar de ser uma adepta da Internet e dos sites, que facilitam muito a vida do dia a dia, as pesquisas e os contactos, continuo a preferir este tipo de trabalhos em papel. Sinceramente estou encantada! É certamente uma excelente prenda de Natal.

LANÇAMENTO DO LIVRO DE JOÃO CARLOS SILVA “NA ROÇA COM OS TACHOS”, NA SEQUÊNCIA DO PROGRAMA DA RTPÁFRICA: RECEITAS DO JOÃO CARLOS COM FOTOGRAFIA DE ADRIANA FREIRE.


DIA 18 DE NOVEMBRO, PELAS 18H30, FNAC DO CHIADO EM LISBOA
"Na Roça com os Tachos" é uma viagem ao interior de uma cozinha ancestral, despertando no leitor o desejo de redescobrir o mundo exótico de São Tomé e Príncipe.
À VENDA A PARTIR DE 10 DE NOVEMBRO.
Na Roça com os Tachos (168 pg.; PVP - 18 euros; ISBN 989-555-151-7): Em 160 páginas de um colorido imenso e um apetite intenso, este livro apresenta uma selecção das melhores receitas do programa de televisão homónimo, Na Roça com os Tachos. São receitas simples, baseadas na gastronomia popular e com um cheirinho a referências culturais, quer de S. Tomé e Príncipe, quer de outras antigas colónias portuguesas. Dividido em 4 capítulos (entradas, carnes, peixes e sobremesas), Na Roça com os Tachos é uma viagem ao interior de uma cozinha ancestral, despertando no leitor o desejo de redescobrir o mundo exótico deixado pelos portugueses. A capacidade comunicativa de João Carlos Silva (apresentador/"cozinhador"/escritor) e a qualidade das fotografias da Adriana Freire apuram o apetite pelo faro.
João Carlos Silva nasceu em Angolares, S. Tomé em 1956. Estudou em S. Tomé, Angola e Portugal, onde frequentou a Faculdade de Direito de Coimbra. Exerceu jornalismo, tendo, como artista plástico, iniciado as suas actividades em Lisboa. Fundou O CIAC e o Espaço Teia d'Arte (artes plásticas, teatro, dança, debates, oficina de letras, ateliers infantis, cine-clube) em S.Tomé. Participou em várias exposições colectivas de artes plásticas em S. Tomé e no estrangeiro. Dirige o Projecto Integrado de Desenvolvimento da Roça S. João (agricultura, pecuária, educação não-formal, ambiente, património, cultura e turismo) e é o coordenador da Bienal de Arte e Cultura de S. Tomé e Príncipe. Apresenta o programa de televisão Na Roça com os Tachos da RTP África.
ADRIANA FREIRE iniciou a sua carreira artística em 1990. Fundadora da Associação Maumaus, participou em diversas exposições individuais e colectivas. Elegeu a gastronomia como uma das áreas de trabalho preferenciais, tendo publicado inúmeros trabalhos em jornais e revistas da especialidade. É autora dos livros Olivais: retrato de um bairro, Romarias e Romeiros e S. Paulo e co-autora de A Minha Cozinha e Dieta [à minha maneira].

segunda-feira, outubro 31, 2005

Artistas plásticos de São Tomé

Um pintor de Anno Bon (Guiné Equatorial) radicado em Barcelona procura contactos, fotografias ou sites de artistas plásticos de STP para intercâmbio de experiências e eventual trabalho conjunto. O site dele é: http://es.geocities.com/ghuty_mamae

Chama-se GHUTY MAMAE e o e-mail dele é: ghuty_mamae@yahoo.es

Se tiverem indicações escrevam directamente para o e-mail do Ghuty, por favor.