terça-feira, junho 28, 2005

Almada Negreiros - "A Flor"

“Pede-se a uma criança: Desenhe uma flor! Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala onde não há mais ninguém. Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras; umas mais carregadas, outras mais leves; umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase não resistiu.

Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era demais.

Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: Uma flor!

Contudo, a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça, à procura das linhas com que se faz uma flor, e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas, são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!”

in Antologia de Poesia Portuguesa, Volume II, pg 1616

3 comentários:

Anónimo disse...

Boa noite, acho o seu site muito interessante. Estou interessada na obra Aíto Bonfim, mas tenho dificuldade em encontrá-la quer nas livrarias quer nas bibliotecas. Será que me pode ajudar?
Obrigada.
A. Estrela
antoniaestrela@hotmail.com

Joao Soares disse...

Bonita flor que esta criança me ofereceu. Fez renascer em mim a criança pequenina que ainda sou, com 38 anos.
Bonita lembrança desta Antologia.Via-a numa estante da Biblioteca Municipal de Gaia e li-a muito jovem ainda.A partir dali conheci muiots mais poetas que a Sophia Mello Breyner da Fada Oriana.
Beijinhos.
http://bioterra.blogspot.com

Brigida Rocha Brito disse...

Estrela, não sei se recebeu o mail que lhe enviei directamente. Se não, tente o Instituto Camões porque eles têm colecções de autores - poetas e textos -santomenses. A colecção "Acácia Rubra" é um bom exemplo disso e encontra os autores que procura.

João, é bonito sim. Faz pensar e sorrir.
:-)
Bjs
Brígida